Mabel e deputados pedem que Governo do Estado retome a vacinação contra a covid de gestantes sem comorbidades no Paraná

Deputada Estadual

Nesta segunda-feira (07), a deputada Mabel Canto (PSC) protocolou junto à Secretaria de Estado da Saúde – SESA, pedido de retomada da vacinação de gestantes e puérperas sem comorbidade no Paraná. O expediente contou com o apoio de mais 15 deputados paranaenses.
No último 19 de abril, juntamente com os deputados Cristina Silvestri (CDN), Luciana Rafagnin (PT) e Goura (PDT), Mabel havia protocolado o Projeto de Lei n.º 161/2021, com o propósito de incluir todas as gestantes e puérperas na primeira fase do grupo prioritário do Programa de Vacinação contra a COVID/19.
Após a realização do protocolo, o Ministério da Saúde acabou por incluir no Programa de Vacinação o referido grupo, entretanto, no dia 11 de maio, o MS suspendeu a vacinação das gestantes e puérperas do grupo que não apresentam comorbidades. Tal decisão foi tomada após a morte, no Rio de Janeiro, de uma gestante que havia tomado a vacina da AstraZeneca/Oxford, por trombofilia cerebral. Desde então, apenas as gestantes com comorbidades podem tomar as vacinas da Pfizer e da Coronavac.
Segundo a deputada, é importante que se diga que o risco de gestantes e puérperas falecerem por trombofilia cerebral é raríssimo (probabilidade de 0,0004%) e que, em relação ao óbito da gestante carioca, não houve comprovação precisa de relação de causa e efeito entre a vacinação e a morte.
“Por outro lado, estudos demonstram que gestantes infectadas com o coronavírus têm um risco 62% maior de internação em UTI e 88% mais probabilidade de necessitar de ventilação mecânica invasiva – daí a importância de imunização deste grupo de mulheres. Estudos também indicam que quase 60% das mortes maternas ocorrem em gestantes sem fatores de risco, perfeitamente saudáveis. Não há qualquer fundamento técnico-científico para a retirada das gestantes e puérperas sem comorbidades do PNI” disse a deputada.
Mabel informou ainda, que segundo informação repassada pela Procuradora Especial da Mulher da Assembleia Legislativa, deputada Cristina Silvestri, a SESA pretende retomar as vacinas das gestantes e puérperas sem comorbidade nos próximos dias.

“Com o agravamento da situação, é essencial que essas vacinas sejam retomadas com a máxima urgência”, disse a parlamentar.

Mabel lembra que alguns Estados, a exemplo do Piauí, do Ceará, do Amazonas, do Pará e de Rondônia, seguem vacinando as gestantes sem comorbidades com os imunizantes da Pfizer e da Coronavac.

O expediente é também respaldado pelo Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher, da Defensoria Pública do Estado do Paraná, que através de sua coordenadora Dra. Lívia Martins Salomão Brodbeck, expediu à SESA, a Recomendação n.º 01/2021 que trata da inclusão de gestantes e comorbidades no plano estadual/municipal de vacinação contra a Covid-19.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *