Mabel Canto contesta modelo híbrido para as novas concessões de pedágios no estado

Deputada Estadual

Modelo híbrido prevê que metade do valor de outorga seja aplicada em obras nos trechos e os outros 50% vão para os cofres do Governo Federal


Na semana passada a comissão de deputados federais do Paraná discutiu com o Ministério da Infraestrutura e aprovaram o modelo híbrido como “opção mais viável” para ser implementado nas novas concessões de pedágios do Estado.

Hoje (19), durante a reunião da Frente Parlamentar dos Pedágios, a deputada Mabel Canto (PSC) se posicionou contrária ao modelo de outorga e favorável à concessão por menor tarifa. Afinal, a finalidade é que o nosso Estado consiga tarifas mais justas e a competitividade não pode nos garantir isso.

Esse modelo híbrido atua da seguinte maneira: o governo impõe um preço máximo de desconto no valor da tarifa. Esse desconto está marcado entre 15% e 17%, a depender do lote. Vence a empresa que pagar a maior taxa de outorga, caso exista algum empate. De acordo com esse novo estudo, 50% vão para os cofres do Governo Federal e o restante será executado em obras ou trechos na redução das tarifas.  

“Queremos que a licitação seja feita por menor tarifa. A população paranaense já pagou uma conta muito alta em todos esses anos, fora os desvios desses recursos. Nada mais justo que as tarifas sejam as menores possíveis”, completou a deputada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *